Automação Residencial


  • Automação Residencial

Sem dúvida alguma, um dos nomes mais falados no mercado de construção e retro-fit nos dias de hoje é a Automação Residencial. Mas o que seria isso? O que é automação afinal?

Automação por definição é “um sistema em que os processos operacionais em fábricas, estabelecimentos comerciais, hospitais, telecomunicações e outros espaços, são controlados e executados por meio de dispositivos mecânicos ou eletrônicos, substituindo o trabalho humano.” Portanto, automação residencial seria a grosso modo, a substituição do homem nas residências, por dispositivos mecânico e/ou eletrônico. Contudo, o ideal ainda seria entender quais seriam essas substituições e porque a necessidade de fazê-las. Esse é o grande ponto. Automação por si só, pode ser apenas um sensor de iluminação que acende um ambiente quando existir a presença de alguém, ou até mesmo o simples controle remoto do seu portão eletrônico que com um toque, abre, para no local correto e fecha AUTOMATICAMENTE. Sendo assim, nós poderíamos até dizer que muitas residências têm automação residencial, porém não é esse serviço que as empresas especializadas nessa área oferecem.

Com o passar dos anos, alguns processos de automação foram evoluindo para atender melhor o cotidiano dos usuários de residências, estabelecimentos comerciais e industriais, a partir daí muitas pessoas passaram a dizer que esses processos não são necessários e têm conotação de sedentarismo ou comodidade. Isso não é verdade! Esses processos trazem a usabilidade dos produtos e sistemas que temos. E é exatamente em cima das rotinas e facilidades de utilização dos sistemas e produtos no dia a dia, que um bom projeto de automação residencial deve se basear. Para isso temos o nome mais importante nos sistemas de automação que é a INTEGRAÇÃO dos processos automatizados. Integrar é a palavra! Os executores dos sistemas de automação residencial são chamados no meio técnico de integradores. A integração dos sistemas de automação não consiste apenas em ter ou comprar equipamentos automatizados. Consiste em planejar, PROJETAR, executar, programar e utilizar.

A personalização das necessidades dos utilizadores e a facilidade em executar tarefas que para algumas pessoas seria impossível é o objetivo principal da integração de sistemas. E mostrando isso e o que foi dito anteriormente em uma linha prática, seria o caso de uma pessoa que comprou um belo sistema de áudio e vídeo com vários componentes, e não consegue utilizar. Com certeza, você ou alguém que conhece já viveu tal situação, mas, e se com o toque de um símbolo no seu smartphone, pronto, tudo estivesse funcionando?!Ou se até mesmo o ato de apagar e acender as luzes de casa fosse controlado por um simples toque, afinal, são muitos interruptores e muitas vezes quando apertamos para apagar uma luz, acabamos acendendo outras. Com a tecnologia, podemos apagar todas as luzes da casa ou de setores específicos com um só toque e até mesmo desligar tudo, depois que seus convidados foram embora da festa.

É um caminho sem volta, veio pra ficar e está cada dia melhor e mais acessível, mas exige cuidado. Como tudo na vida, o planejamento e os projetos devem ser bem feitos, visando a não obsolescência antes do início do uso. Bons projetos integrados de automação estão alguns passos à frente, se preparando para as novas tendências e modernizações.

E uma coisa, eu, como engenheiro, empresário e consumidor posso afirmar: se você teve uma boa experiência com sistemas de automação, nunca mais vai querer viver sem.

Ricardo Carneiro

Deixe seu comentário